Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 30/01 às 19h24min

Bovespa segue perdas em Nova Iorque e cai 2,62% em sessão de realização de lucros

Depois de acumular ganhos de 9,64% em janeiro, a Bovespa cedeu a uma correção nesta segunda-feira (30), tendo como principal referência a queda das bolsas norte-americanas, em meio aos ruídos envolvendo o presidente Donald Trump. O Índice Bovespa fechou em queda de 2,62%, aos 64.301,73 pontos. Ainda assim, contabiliza alta de 6,77% no mês.
O noticiário foi intenso no Brasil e nos Estados Unidos. Por aqui, a homologação de 77 delações de executivos da Odebrecht e a prisão do empresário Eike Batista foram acompanhadas de perto. No front externo, a principal variável do dia foi o imbróglio envolvendo Donald Trump e a Justiça dos Estados Unidos em torno da restrição ao ingresso de determinados estrangeiros aos Estados Unidos. Nenhum desses eventos teve efeito direto sobre os negócios na Bovespa, segundo profissionais ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.
"A prisão de Eike Batista teve impacto zero na bolsa e a homologação das delações teve pouca influência, embora o mercado prefira um ambiente de menor ruído com a Operação Lava Jato", afirmou Vladimir Pinto, gestor de renda variável da Grand Prix Asset. Na opinião do gestor, a realização de lucros se valeu de um forte ruído no mercado norte-americano, onde, aliás, também havia "gordura" para queimar. "O modus operandi de Trump, de colocar o bode na sala e depois negociar sua retirada, de certa maneira encerrou a lua-de-mel dos mercados locais com o novo presidente", afirma.
O analista ressalta ainda que o cenário interno se mostra atrativo para o investidor da renda variável, que vem apostando nos efeitos positivos da queda dos juros e no avanço das reformas estruturais no Congresso. "No que diz respeito ao cenário interno, segue a aposta de que o pior já passou e que as empresas podem ingressar num ciclo positivo", diz.
Entre as ações que mais contribuíram para a queda da bolsa estiveram aquelas ligadas a commodities e também os bancos. Com o feriado do ano-novo na China, não houve atualização nos preços do minério de ferro. Essa ausência também favoreceu uma correção nos preços das ações de empresas da cadeia do aço, grandes destaques de alta nas últimas semanas. Vale ON e PNA tiveram quedas de 4,30% e 5,17%, respectivamente. No setor financeiro, Itaú Unibanco PN caiu 2,13% e Banco do Brasil ON, 2,77%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia