Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 15h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Notícia da edição impressa de 30/01/2017. Alterada em 29/01 às 21h10min

Apesar de juro alto, migração de crédito entre bancos cresce

BC passou a acompanhar a transferência de empréstimos entre os bancos mais de perto

BC passou a acompanhar a transferência de empréstimos entre os bancos mais de perto


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
As operações de portabilidade de crédito bancário tiveram forte avanço, principalmente a partir do segundo semestre do ano passado. De acordo com dados do Banco Central (BC), apenas em dezembro foram feitas 131,9 mil migrações, um crescimento de 128,2% em relação ao mesmo mês de 2015. O volume financeiro movimentado cresceu 94% na comparação anual e somou R$ 882 milhões somente no mês passado.
Transferir um empréstimo de um banco para outro foi uma prática que passou a ser acompanhada mais de perto pelo BC em 2014. Antes disso, a migração, principalmente dos empréstimos consignados entre instituições, rendia comissões a bancários e nem sempre resultava nas melhores condições de pagamento para o cliente.
Segundo o vice-presidente da Associação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços (Aneps), Antônio Mário Rinaldini, o crescimento da portabilidade pode ser explicado pelo ingresso de mais bancos no segmento e pelo registro dessas operações pelo BC, o que antes não era obrigatório.
Do ponto de vista do consumidor, Rinaldini ressalta que o risco da migração entre bancos está justamente em diminuir o valor do pagamento mensal do empréstimo, pois uma parcela menor alonga o prazo da dívida e, por consequência, haverá cobrança de juros por mais tempo no financiamento.
Fundador do Canal do Crédito, plataforma que compara produtos financeiros, Marcelo Prata chama a atenção para o fato de o número de operações de portabilidade ter crescido em 2016 apesar dos juros altos, uma vez que a Selic - a taxa básica de juros da economia - só começou a cair no fim do ano. Para ele, o aumento nessa migração não pode ser explicado por juros mais competitivos, uma vez que os bancos só começaram a reduzir suas taxas após a queda da Selic.
"As pessoas estão portando porque o banco oferece a partir daí uma nova operação de crédito", destaca.
Prata critica a migração com este fim e diz que a possibilidade estimula o superendividamento. Além disso, desvirtua o propósito da regulamentação dessas operações, que é combater uma prática conhecida por "compra de dívida".
Procuradas pela reportagem, instituições financeiras e BC não discriminam o tipo de crédito migrado. No entanto, segundo uma fonte do setor, parte significativa dessas operações envolve o crédito consignado, uma modalidade considerada mais "segura" por ser garantida pelo salário de quem tomou o empréstimo.
No ranking de reclamações do BC, as queixas sobre dificuldades na hora de portar operações de crédito ocuparam o sexto lugar no segundo semestre de 2016, com um total de 903 reclamações consideradas procedentes pela instituição. Os bancos Pan, Bradesco e Itaú receberam juntos mais da metade dessas reclamações.
Entre ocorrências respondidas ou não, o site Reclame Aqui contabiliza quase 3 mil queixas sobre portabilidade.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia