Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de janeiro de 2017. Atualizado às 10h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/01/2017 - 11h36min. Alterada em 27/01 às 11h37min

Cobre sobe levemente em Londres e Nova Iorque, em sessão de pouca liquidez

Os futuros de cobre operam em leve alta em Londres e Nova Iorque, em meio a ameaças de ação grevista no Chile e baixos volumes de negócios, uma vez que investidores na China já se afastaram para comemorar o feriado do ano novo lunar.
Por volta das 10h15min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) avançava 0,24%, a US$ 5.864 por tonelada, após mostrar volatilidade mais cedo.
Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para março tinha alta de 0,06%, a US$ 2,6745 por libra-peso, às 10h46min (de Brasília), também depois de alternar ganhos e perdas.
"A atividade econômica já diminuiu ante da celebração do (ano novo chinês)", afirmou o Commerzbank em nota a clientes, acrescentando que os preços dos metais estarão mais sujeitos a ficar voláteis. O feriado da China irá manter os mercados financeiros locais fechados até quinta-feira (02).
A China é o maior mercado mundial de cobre, responsável por cerca de metade da demanda global, o que significa que a liquidez nos negócios dos metais será restrita até o fim do feriado. Além disso, há poucos indicadores chineses previstos até março.
Possíveis interrupções na oferta, por sua vez, ajudam a sustentar o cobre, que chegou a atingir máximas em 19 meses na LME esta semana.
No Chile, trabalhadores da gigantesca mina de Escondida, que é de propriedade da anglo-australiana BHP Billiton, consideram a possibilidade de iniciar uma paralisação, após rejeitarem uma ótima oferta da mineradora na última terça-feira. A decisão dos mineiros deverá será conhecida no começo da próxima semana, segundo um porta-voz da BHP.
Já na também chilena mina de Andina, da estatal Codelco, as operações foram suspensas após a morte de um trabalhador, de acordo com a empresa.
Nesta sexta-feira, os investidores vão acompanhar indicadores dos EUA, incluindo números do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre, que serão publicados as 11h30 (de Brasília).
Outros metais na LME não apresentavam direção única. No horário citado acima, o alumínio para três meses subia 0,28%, a US$ 1.823,00 por tonelada, enquanto o chumbo recuava 0,43%, a US$ 2.294,00 por tonelada, o zinco tinha alta marginal de 0,02%, a US$ 2.764,00 por tonelada, o níquel avançava 1,60%, a US$ 9.500,00 por tonelada, e o pouco negociado estanho caía 0,62%, a US$ 19.880,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia