Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 25/01 às 19h47min

Petróleo fecha em queda pressionado por dados dos estoques nos EUA

Os contratos de petróleo fecharam em queda, nesta quarta-feira (25), pressionados por números dos estoques nos Estados Unidos, que geraram preocupação sobre os excedentes globais da matéria-prima.
O contrato do petróleo WTI para março, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em queda de US$ 0,43 (-0,81%), a US$ 52,75 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, o Brent para o mesmo mês teve recuo de US$ 0,36 (-0,65%), a US$ 55,08 por barril.
Dados do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA mostraram um aumento de 2,8 milhões de barris nos estoques de petróleo bruto do país na semana encerrada em 20 de janeiro. O número superou a estimativa média de analistas, que esperavam alta 2,1 milhões de barris, segundo o Wall Street Journal.
O Doe ainda reportou que os estoques de gasolina aumentaram 6,8 milhões de barris na semana passada, mesmo com as refinarias limitando a produção. A utilização das refinarias caiu para 88,3% da capacidade na semana passada, de 90,7% na semana anterior, sinalizando recuo da demanda.
O recente avanço dos preços do petróleo, decorrente do acordo de corte de produção de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), ainda provocou um aumento da produção de produtores de xisto nos EUA. A produção norte-americana de petróleo bruto avançou em 17 mil barris por dia, ainda segundo o Doe.
"Esse não é o tipo de história que a Opep quer ver", disse Bob Yawger, diretor da divisão de futuros da Mizuho Securities dos EUA. "Números maiores dos estoques de petróleo bruto, maior produção doméstica, recuo da utilização das refinarias e ainda assim, aumento dos estoques de gasolina... Eles provavelmente não estão felizes", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia