Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Notícia da edição impressa de 25/01/2017. Alterada em 24/01 às 21h28min

China avança na OMC no espaço deixado pelos Estados Unidos

A China começou a ocupar de fato o espaço deixado pelos Estados Unidos na definição das regras comerciais, e na Organização Mundial do Comércio (OMC) apresenta propostas e faz reuniões para moldar a agenda diplomática em 2017. Na espera para saber qual será o posicionamento de Donald Trump em relação à entidade máxima do comércio, diplomatas e observadores consultados pelo Estado confirmaram uma "ofensiva silenciosa" por parte de Pequim desde a eleição de Trump.
Pequim apresentou aos membros da OMC uma proposta de liberalização do comércio eletrônico, o que foi considerado até mesmo por economias ricas como um "passo importante". O documento, obtido pelo Estado, pede a facilitação de negócios para o comércio eletrônico entre países, transparência nas políticas adotadas pelos governos nesse setor e ainda uma ajuda técnica aos países mais pobres para garantir que tenham condições de infraestrutura para fazer parte do fluxo de e-commerce.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia