Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 24/01 às 19h28min

MME esclarece: privatização de distribuidoras prioriza sucesso do leilão

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, esclareceu que o significado de sua declaração sobre "capturar o máximo de valor com o processo" de venda das distribuidoras da Eletrobras foi em relação ao sucesso do leilão e não dar prioridade à arrecadação, como constou em nota enviada anteriormente. A seguir, a nota corrigida:
As distribuidoras da Eletrobras devem ser vendidas pelo modelo que trouxer o melhor resultado para a empresa e o governo. De acordo com o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, a ideia é estabelecer um processo que seja bem sucedido. Entre as possibilidades em análise, está a venda das empresas por blocos. "O processo pode prever uma vinculação entre as empresas para explorar sinergias", explicou. "Um dos objetivos é capturar o máximo de valor com esse processo."
A Eletrobras possui distribuidoras nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Alagoas e Piauí. De acordo com Pedrosa, é possível aproveitar a proximidade de regiões fronteiriças para realizar investimentos com custo mais baixo.
"Pode ser mais barato atender uma região do Amazonas a partir do Acre do que a partir de Manaus", afirmou Pedrosa. Nesse caso, vender as operações do Amazonas e do Acre juntas pode render mais dinheiro do que licitá-las separadamente.
Outro modelo que pode ser usado é o de venda das empresas por ordem de relevância e mediante condicionantes, como é feito nos leilões de transmissão. Exemplo: se a prioridade for a venda das operações em Roraima e não houver nenhuma proposta para a empresa, o governo não colocará em leilão a concessão de Rondônia.
Também está em estudo realizar duas revisões tarifárias, em vez de apenas uma, em um período de cinco anos. Nesse caso, os contratos de concessão dessas empresas seriam estabelecidos sob novas bases.
A vantagem desse processo, para as empresas, é que os investimentos realizados seriam repassados mais rapidamente para as tarifas. Para o consumidor, porém, isso significaria reajustes mais altos em um período mais curto.
Pedrosa explicou que ainda não há nenhuma decisão tomada a respeito da modelagem do leilão. O processo é conduzido pela Eletrobras e pelo BNDES, responsável por contratar uma empresa para avaliar as distribuidoras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia