Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Bolsa de Tóquio cai pelo segundo dia seguido, diante de protecionismo dos EUA

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa pelo segundo pregão consecutivo nesta terça-feira (24), à medida que temores com políticas comerciais protecionistas dos EUA pesaram sobre ações de montadoras e uma queda nos juros dos Treasuries e de bônus do governo japonês (JGBs) afetou papéis do setor financeiro.

O índice Nikkei caiu 0,55%, encerrando o dia a 18.787,99 pontos, após mostrar desvalorização de 1,29% na sessão anterior.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou formalmente a retirada de seu país da Parceria Transpacífico (TPP), acordo de livre comércio que também envolve o Japão. Segundo analistas, Washington está avançando em medidas protecionistas e, ao mesmo tempo, não revela detalhes de seus planos de estímulos fiscais.

Na indústria automotiva, foram destaque de baixa hoje em Tóquio a Mitsubishi Motors (-3,1%) e a Mazda (-2,3%).

A falta de detalhamento por Trump sobre futuros incentivos fiscais ajudou a pressionar os rendimentos dos Treasuries na segunda-feira. Esse movimento, por sua vez, levou à diminuição dos juros dos JGBs durante a madrugada desta terça.

Com a queda nos juros de dívidas soberanas, bancos e seguradoras também mostraram fraco desempenho no mercado japonês. Os papéis do Mitsubishi UFJ Financial Group recuaram 2,7%, enquanto os da Dai-ichi Life Holdings tiveram baixa de 3,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia