Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de janeiro de 2017. Atualizado às 14h12.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 23/01 às 15h13min

Confiança do empresário gaúcho atinge maior nível para janeiro em três anos

O setor produtivo gaúcho começa a virada do ano demonstrando maior otimismo. De dezembro de 2016 para janeiro deste ano, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) nesta segunda-feira (23), subiu de 50,5 para 51,7 pontos. É o maior nível de confiança para o mês nos últimos três anos. “O resultado confirma que a confiança da indústria no Estado passa por um processo de acomodação, embora ainda em um nível baixo, um pouco acima dos 50 pontos”, diz o presidente da Fiergs, Heitor José Müller. 
No entanto, em janeiro os empresários gaúchos percebem piora na situação dos negócios em comparação com os últimos seis meses. Isso é revelado pelo Índice de Condições Atuais, que recuou 0,6 ponto na margem e começou 2017 com 45 pontos. Em janeiro de 2016, porém, a situação era ainda pior, e o índice estava em 30. Os índices da economia brasileira e das empresas pouco mudaram, caindo, respectivamente, de 41,6 para 41,2 pontos e de 47,6 para 47 na passagem de dezembro de 2016 para janeiro de 2017.
“Embora seja comum para o começo do ano, a maior confiança reflete a percepção dos empresários gaúchos de que há uma política econômica mais eficiente, que pode levar à melhora do quadro fiscal e à redução da inflação e dos juros, além de um empenho do governo para encaminhar as reformas estruturais”, comenta Müller.
Segundo o presidente da Fiergs, as condições atuais mostram que as dificuldades persistem, mas as expectativas positivas sustentam o cenário prospectivo de estabilização da atividade industrial, seguida por um gradual processo de retomada nos próximos meses. É o que detectam os resultados apontados para o período: o indicador de expectativas passou de 53,1 pontos em dezembro para 55 em janeiro. A indústria gaúcha não exibia otimismo em um início de ano desde 2014 (54,7 pontos). O índice foi puxado, principalmente, pelo item relativo à própria empresa, que passou de 56,4 para 58,1 pontos. No mesmo sentido, a expectativa com a economia brasileira teve uma expansão de dois pontos: de 46,8 para 48,8 no mesmo período. Todavia, ainda ficou no campo negativo.
O ICEI-RS é elaborado mensalmente pela Fiergs. São consultadas empresas de todo o Estado. O levantamento varia em uma escala de 0 a 100 pontos. Quanto mais os valores estiverem acima de 50 denotam maior otimismo e quanto mais abaixo, pessimismo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia