Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 19h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/01 às 20h49min

Nos EUA, Dólar avança de forma generalizada após comentários de Yellen

O dólar se fortaleceu de forma generalizada nesta quarta-feira (18), após a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Janet Yellen, dizer que "esperar muito para elevar as taxas de juros pode causar uma surpresa desagradável de instabilidade e inflação alta".
Em um discurso preparado para um evento em San Francisco, Yellen disse que o Fed está se aproximando de suas metas de inflação e emprego e que "faz sentido" o banco central reduzir o nível de apoio na economia. Ela afirmou que espera que os juros aumentem "algumas vezes" até 2019, mas não forneceu pistas sobre o timing das elevações.
Elias Haddad, estrategista da CBA, disse que o comentário de Yellen representa a intensificação da retórica da dirigente sobre possíveis aumentos nas taxas de juros dos EUA, e o dólar subiu de acordo.
Além disso, o Livro Bege, divulgado hoje pelo Fed, mostrou que as companhias expressaram otimismo sobre o crescimento econômico dos EUA em 2017. Foi mencionado o fato de que as pressões inflacionárias "se intensificaram um pouco" no país, o que pode apoiar mais aperto monetário adiante.
A perspectivas de um maiores taxas de juros são benéficas para o dólar, que fica mais atraente para investidores em busca de retornos.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 114,27 ienes, de 112,71 ienes na tarde de ontem; o euro recuou para US$ 1,0635 de US$ 1,0707 e a libra caiu para US$ 1,2267, de US$ 1,2401.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia