Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/01 às 18h34min

Ouro fecha em leve queda com dólar mais forte, impulsionado por dado de inflação

O contrato futuro de ouro fechou em leve queda na sessão desta quarta-feira (18) pressionado por um dólar mais forte, que foi impulsionado pela divulgação da inflação nos EUA, que registrou maior crescimento em 12 meses desde junho de 2014.
O contrato para fevereiro, negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) recuou 0,06%, a US$ 1.212,10 por onça-troy.
O preço do metal permanece fortalecido, apoiado por comentários recentes do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, que sugeriu que prefere uma moeda mais enfraquecida para beneficiar o comércio do país.
O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos Estados Unidos, divulgado mais cedo, subiu 0,3% em dezembro na comparação com novembro, resultado em linha com a previsão de analistas. Na comparação anual, porém, o CPI subiu 2,1% em dezembro, maior crescimento em 12 meses desde junho de 2014, ao passo que o núcleo do índice teve alta anual de 2,2%, ambos acima da meta de 2,0% do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).
As políticas prometidas por Trump devem trazer mais pressões inflacionárias, o que pode fazer com que o Fed tenha uma postura mais agressiva em relação aos juros. A divulgação do Livro Bege, sumário sobre o panorama econômico dos EUA, mostrou que as pressões inflacionárias se intensificaram "um pouco" desde o último relatório da instituição. Fonte: Dow Jones Newswires
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia