Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

18/01/2017 - 17h58min. Alterada em 18/01 às 18h42min

Anac reajusta tarifas para embarques nacionais e internacionais

Tarifa para embarque doméstico em aeroportos da Infraero subirá 8%, valendo R$ 29,90

Tarifa para embarque doméstico em aeroportos da Infraero subirá 8%, valendo R$ 29,90


JOS/ABR/JC
Agência O Globo
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicou nesta quarta-feira, no Diário Oficial da União, uma portaria que reajusta as tarifas de embarque para os aeroportos administrados pela Infraero. Para voos nacionais, a taxa subirá 8%, de R$ 27,69 para R$ 29,90. Nos voos internacionais, a alta foi de 3,6%, de R$ 109,13 para R$ 113,04.
O reajuste é anual e ocorre, geralmente, nos meses de janeiro. Os novos valores entram em vigor em 30 dias e valem para cerca de 60 aeroportos administrados pela Infraero, como o Aeroporto Internacional Salgado Filho, de Porto Alegre, e os terminais Santos Dumont e Congonhas. A Anac destaca que há diferenças de tarifas em aeroportos menores. Os aeroportos concedidos a empresas privadas terão reajustes em datas específicas.
A partir de 1º de janeiro passou a valer a extinção do Adicional de Tarifa Aeroportuária (Ataero), que incidia sobre os valores das tarifas de embarque doméstico e internacional em aeroportos do Rio de Janeiro, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Norte. De acordo com a Anac, isso não afeta o valor pago pelos passageiros e usuários.
A Câmara dos Deputados vai analisar logo após o fim do recesso parlamentar, em fevereiro, o projeto de decreto legislativo do Senado (PDS 89/2016) que suspende a decisão da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) de autorizar as empresas aéreas a cobrar pelas malas despachadas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia