Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 18/01 às 12h43min

Política monetária entrou em novo ritmo, diz Ilan Goldfajn em Davos

Agência Brasil
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse nesta quarta-feira (18) em Davos, na Suíça, que a política monetária entrou em um novo ritmo, referindo-se à redução em 0,75 ponto percentual da Selic, taxa básica de juros da economia, atualmente em 13% ao ano. Goldfajn ressaltou que a continuidade da redução nesta intensidade depende da inflação e da atividade econômica.
O presidente do BC participou de coletiva de imprensa organizada pelo Fórum Econômico Mundial ao lado do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ilan Goldfajn disse ver a globalização como um processo benéfico para as economias emergentes.
"No caso do Brasil, houve crescimento dos benefícios para a classe média. Nós continuamos a apoiar a globalização porque beneficiou nossa economia e nossa classe média," declarou.
Para Henrique Meirelles, a globalização é positiva também para economias desenvolvidas, como a dos Estados Unidos, onde Donald Trump venceu as últimas eleições apresentando um projeto protecionista, que encontrou aceitação junto uma parcela da população que se percebe como prejudicada pela penetração de empresas estrangeiras no mercado norte-americano.
"Se você tomar os Estados Unidos, você tem importações de um lado eliminando alguns empregos americanos, mas [benefícios como] alta tecnologia, serviços, criando todo tipo de trabalhos. Além disso, a população inteira se beneficia de preços mais baixos," disse.
O ministro acrescentou que o Brasil precisa "reformar a economia para tirar mais vantagens da globalização". Meirelles disse que há reformas "básicas" a serem aprovadas no país, como a reforma da Previdência e a trabalhista.
O ministro da reafirmou que o governo revisará nos próximos dias a estimativa de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos por um país) em 2017. A projeção do governo para o PIB atualmente é alta de 1% este ano.
A previsão está abaixo das projeções de mercado. No último boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), a projeção para este ano foi crescimento de 0,5% do PIB.
Além disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alterou na segunda-feira (16) a projeção para o PIB brasileiro, de crescimento de 0,5% para 0,2%. A Organização das Nações Unidas, prevê crescimento de 0,6% do PIB do país para 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia