Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 17/01 às 08h38min

Principais bolsas europeias caem, à espera de discurso sobre Brexit

As principais bolsas europeias operam em baixa e a libra esterlina se recupera de mínimas em 31 anos nesta manhã, enquanto investidores aguardam um importante discurso da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre o processo de rompimento do Reino Unido com a União Europeia (o chamado Brexit).
Segundo trechos do discurso divulgados em Londres, May dirá hoje que o Reino Unido não vai querer manter uma "filiação parcial" à UE "ou qualquer coisa que nos deixe meio dentro, meio fora".
Ontem, o presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, previu que o crescimento econômico do Reino Unido deverá desacelerar este ano, à medida que a tendência de fraqueza da libra impulsionar a inflação e prejudicar os gastos dos consumidores.
Dados de inflação publicados agora há pouco mostraram que o índice de preços ao consumidor do Reino Unido superou as expectativas em dezembro, com alta mensal de 0,5% e ganho anual de 1,6%. Logo mais, às 8h (de Brasília), a Alemanha divulga seu índice ZEW de sentimento econômico.
Hoje, a libra avança frente ao dólar, após chegar a ser cotado no menor nível desde 1985 na segunda-feira, em meio à avaliação de operadores de que as perdas recentes da moeda britânica foram "exageradas".
Às 7h52min (de Brasília), as grandes bolsas europeias recuavam, com perdas de 0,32% em Londres, de 0,49% em Paris e de 0,66% em Frankfurt. Entre mercados considerados periféricos, Madri tinha leve baixa de 0,04%, mas Milão e Lisboa subiam 0,26% e 0,24%, respectivamente. No mercado de câmbio, a libra subia a US$ 1,2166, de US$ 1,2045 no fim da tarde de ontem, enquanto o euro avançava a US$ 1,0678, de US$ 1,0604 ontem.
No noticiário corporativo, a British American Tobacco (BAT) anunciou durante a madrugada um acordo pelo qual pagará US$ 49,4 bilhões pela fatia de 57,8% que ainda não possui na Reynolds American, criando a maior empresa de tabaco do mundo em receita e valor de mercado. Após subirem 1% no começo dos negócios, as ações da BAT passaram a recuar cerca de 0,3%.
Na França, o conglomerado varejista Casino Guichard-Perrachon divulgou que teve vendas de 10,03 bilhões de euros no quarto trimestre, montante 9,1% maior que o do mesmo período do ano anterior, uma vez que bons resultados no Brasil e na Colômbia compensaram um fraco desempenho em seu mercado doméstico. Os papéis do Casino caem 0,32% em Paris.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia