Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/01 às 19h22min

Dólar à vista sobe a R$ 3,24 com cautela no exterior

O dólar acelerou a alta no final da sessão desta segunda-feira (16), e encerrou aos R$ 3,2421 (+0,76%) no mercado à vista. O movimento foi atribuído por especialistas à busca por proteção antes de importantes eventos internacionais nos próximos dias, a começar amanhã pelo discurso da premiê britânica, Theresa May.
A preocupação é de que a primeira-ministra adote uma postura mais dura na separação com a União Europeia, resultando numa ruptura mais bruta entre as partes. A mídia britânica já apontou que Theresa May aumentará a pressão para deixar o bloco econômico em troca de um controle maior da política de imigração.
Por aqui, o dólar à vista fechou aos R$ 3,2421 (+0,76%), nível mais elevado desde 3 de janeiro, quando marcou R$ 3,2615. Além disso, o valor no fim do dia ficou levemente aquém da máxima, de R$ 3,2423 (+0,77%).
O marco principal da semana e maior fonte de incertezas para o mercado, entretanto, só ocorre na sexta-feira, com o início do governo de Donald Trump. A campanha eleitoral do republicano foi marcada por promessas de investimentos em infraestrutura, aumento do protecionismo comercial e acirramento da disputa com a China. No entanto, mesmo com a entrevista coletiva na semana passada, Trump ainda não deixou claro como fará o país acelerar seu crescimento econômico.
No segmento futuro, o contrato de dólar mais líquido, para fevereiro de 2017, encerrou em alta de 0,65%, aos R$ 3,2585, enquanto o pico da sessão foi registrado em R$ 3,2600 (+0,69%).
Hoje, a ausência das operações nos Estados Unidos, por causa do feriado do Dia de Martin Luther King Jr, limitou o volume de negócios por aqui. Com isso, o impacto das operações no câmbio foram potencializadas nas cotações, de acordo com profissionais ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.O giro registrado no mercado à vista somou apenas US$ 328,352 milhões, enquanto o contrato futuro mais líquido, para fevereiro de 2017, movimentou US$ 5,115 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia