Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 09h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Taxas futuras de juros rondam ajustes após dado do varejo

No mercado de juros futuros, as taxas rondam os ajustes enquanto os investidores avaliam os resultados do varejo, conhecidos nesta terça-feira (10). A leitura é de que os números vieram melhores do que o esperado, mas são considerados pontuais.

"É sazonal, com ajuda de compras na Black Friday e antecipação de demanda de Natal, por isso o resultado não faz tanto preço", adiantou um operador de renda variável.

Há instantes, o contrato de DI com vencimento em janeiro de 2018 marcava 11,36%, de 11,38% do ajuste de segunda-feira, 9. Já para janeiro de 2019, indicava 10,90% de 10,90%. Na ponta longa, janeiro de 2021 estava em 11,17%, de 11,19%.

As vendas do comércio varejista subiram 2% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio melhor que o teto do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 1,00% a alta de 1,40%, com mediana positiva de 0,30%.

Na comparação com novembro de 2015, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram baixa de 3,5% em novembro de 2016. Nesse confronto, as projeções iam de uma retração de 3,40% a 6,80%, com mediana negativa de 5,30%. As vendas acumulam retração de 6,40% no ano e recuo de 6,50% em 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 0,60% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio em linha com o teto das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde um recuo de 1,00% a um crescimento de 0,60%, com mediana negativa de 0,10%.

Na comparação com novembro de 2015, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram baixa de 4,5% em novembro de 2016. Nesse confronto, as projeções variavam de uma retração de 10,90% a -4,60%, com mediana negativa de 5,70%. Até novembro, as vendas do comércio varejista ampliado acumulam queda de 8,8% no ano e recuo de 9,1% e 12 meses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia