Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de janeiro de 2017. Atualizado às 08h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

09/01/2017 - 09h17min. Alterada em 09/01 às 09h17min

Cobre recua em Londres e Nova Iorque, influenciado por dólar forte e petróleo fraco

Os futuros de cobre operam em baixa em Londres e Nova Iorque, após oscilarem mais cedo, em meio à valorização do dólar e uma tendência de queda nos preços do petróleo.
Por volta das 8h35min (de Brasília), o cobre para três meses na London Metal Exchange (LME) recuava 0,15%, a US$ 5.587,00 por tonelada.
Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para entrega em março tinha queda de 0,45%, a US$ 2,5345 por libra-peso, às 8h55 (de Brasília).
O índice WSJ do dólar se fortalece nos negócios da manhã, tornando o cobre e outros metais básicos menos atraentes para investidores que utilizam outras moedas.
Além disso, o petróleo cai mais de 1,5%, também pressionando o cobre. As duas commodities são frequentemente negociadas em cestas ou índices onde o petróleo tem peso maior.
Entre outros metais na LME, não havia uma tendência única de direção: o alumínio caía 0,5% no horário citado acima, a US$ 1.709,00 por tonelada, enquanto o zinco subia 0,5%, a US$ 2.639,00 por tonelada, o chumbo também avançava 0,5%, a US$ 2.079,00 por tonelada, o estanho cedia 0,2%, a US$ 21.010,00 por tonelada, e o níquel ganha 0,2%, a US$ 10.320,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia