Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Grandes bolsas asiáticas fecham em alta, após novos recordes em Nova Iorque

As principais bolsas asiáticas fecharam em alta nesta segunda-feira (9), seguindo o desempenho positivo das ações em Nova Iorque no fim da semana passada.

Na sexta-feira (6), os mercados acionários de Wall Street atingiram novos recordes de pontuação no encerramento dos negócios, com o índice Dow Jones se aproximando ainda mais da barreira psicológica dos 20 mil pontos.

O avanço das bolsas de Nova Iorque na sexta veio após o relatório de emprego dos EUA. Embora a maior economia do mundo tenha criado menos postos de trabalho do que se esperava em dezembro, o salário médio dos trabalhadores registrou o maior ganhou anual desde 2009.

Na China, o Xangai Composto subiu 0,54% hoje, a 3.171,24 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,3%, a 1.994,15 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng mostrou ganho de 0,25%, a 22.558,69 pontos. No Japão, um feriado nacional manteve a Bolsa de Tóquio fechada.

Entre bolsas menores da Ásia, não houve uma tendência única nesta segunda. Em Seul, índice sul-coreano Kospi fechou praticamente estável, com baixa marginal de 0,02%, a 2.048,78 pontos, enquanto em Taiwan, o Taiex recuou 0,32%, a 9.342,42 pontos. Nas Filipinas, por outro lado, o PSEi teve alta de 0,39% em Manila, a 7.276,34 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana terminou o pregão no maior nível em 19 meses, com valorização de 0,9% no S&P/ASX 200, a 5.807,40 pontos, impulsionada por papéis de petrolíferas e de grandes bancos. Mineradoras, por outro lado, caíram, após o governo da Austrália prever queda nos preços do minério de ferro neste ano e em 2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia