Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/01 às 19h01min

Ibovespa tem sessão de realização de lucros e cai 0,65%

O pregão da Bolsa de Valores de São Paulo desta sexta-feira (6) foi dedicado a um movimento de realização de lucros no mercado de ações, o que levou o Índice Bovespa a uma baixa de 0,65%, aos 61.665,36 pontos. Ainda assim, o principal índice da bolsa brasileira terminou a semana com avanço de 2,39%. O volume de negócios totalizou R$ 5,35 bilhões. A primeira semana de 2017 foi marcada pela alternância entre altas e baixas, determinada principalmente pelo desempenho instável das ações do setor de commodities. Os investidores dividiram as atenções entre indicadores econômicos e preços das matérias-primas no mercado internacional, além da expectativa de corte de juros no Brasil.
Mesmo com o petróleo em alta, as ações da Petrobras foram objeto de realização de lucros, em parte favorecida pelo anúncio de reajuste apenas do diesel - e não da gasolina -, que gerou certa controvérsia entre os analistas. Ao final do pregão, Petrobras ON teve queda de 1,52%, enquanto Petrobras PN recuou 0,57%. No acumulado da semana, as duas tiveram ganhos superiores a 3% e 5%, respectivamente.
A queda de 2,8% do preço do minério de ferro no mercado à vista chinês, por sua vez, foi determinante para a correção das ações da Vale, que caíram 2,66% (tanto a ON como a PNA), arrastando com elas os papéis de siderurgia. Usiminas PNA recuou 2,83% e CSN ON, 3,59%.
A proximidade da reunião do Comitê Política Monetária (Copom), na semana que vem, foi fator positivo que permeou os negócios durante toda a semana. O aumento das apostas em uma redução da Selic mais pronunciada gerou baixas no mercado futuro de juros e beneficiou não apenas as empresas mais expostas a juros, mas toda a bolsa. "A possibilidade de um afrouxamento mais forte beneficia a Bovespa não apenas por representar maior estímulo ao desempenho das empresas, mas também por aumentar a atratividade do setor de renda variável", disse um operador. "Se o corte vier mesmo maior, talvez até em 0,75 ponto porcentual, a repercussão será muito positiva na bolsa", afirmou.
Entre as ações que compõem o Ibovespa, a maior baixa do dia foi de BRF ON. O papel teve queda de 4,76%, refletindo notícia sobre o aumento do imposto de importação pela Arábia Saudita para carne de frango in natura, de 5% para 20%. Na ponta contrária, Rumo Logística subiu 2,58% e liderou as altas do índice, refletindo perspectiva de aumento de investimentos públicos em infraestrutura no País. As ações de empresas com receita em moeda estrangeira aproveitaram a valorização do dólar e, também na contramão do mercado, avançaram. Fibria ON (+1,34%), Suzano PNA (+0,73%) e JBS ON (+0,70%) foram os destaques entre as exportadoras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia