Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de janeiro de 2017. Atualizado às 10h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/01 às 11h35min

Com espaço para realização, Bovespa cai desde a abertura

O Ibovespa cai em uma manhã de sexta-feira (6) de expectativa com o número sobre o mercado de trabalho nos EUA (às 11h30, de Brasília) no fim de uma semana de valorização do indicador. Às 11h02, o indicador marcava a mínima aos 61.543,75 pontos (-0,85%). Ainda assim, acumulava alta de 2,20% nesta semana.
Até as 10h45min, as ações da Petrobras indicavam uma reação positiva ao aumento do diesel. Ao contrário de outras blue chips, a petroleira permaneceu 45 minutos em alta, em linha com o petróleo na Nymex (NY) e na ICE (Londres), e com o aumento de 6,1% no preço do diesel nas refinarias. Às 10h45, passou a alternar os sinais negativo e positivo.
A manutenção do preço da gasolina pela petroleira surpreendeu alguns analistas. "Inicialmente, estimamos aumentos de preços de 8% para a gasolina e de 5% para o diesel em janeiro. Portanto, enquanto o reajuste do diesel ficou em linha com a nossa expectativa, a manutenção do preço da gasolina foi uma surpresa para nós", escreveram Filipe Gouveia e Osmar Camilo, do Bradesco BBI.
Já o relatório do Brasil Plural observou: "É importante notar que o diesel é mais relevante para os resultados da Petrobras, já que o volume de vendas de diesel é 50%-60% maior em relação ao da gasolina". "
Pelo menos o diesel subiu, melhor que não dar reajuste nenhum. A defasagem do preço da gasolina é pequena", afirmou um operador. Segundo cálculo apresentado por outro profissional do mercado de ações, a gasolina passará a ser negociada "com desconto de 5%" em relação ao mercado internacional.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia