Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de janeiro de 2017. Atualizado às 08h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/01 às 09h32min

Petróleo sobe, enquanto investidores monitoram cumprimento de cortes na produção

Os futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, revertendo perdas da madrugada e retomando o tom positivo da sessão anterior, enquanto investidores buscam sinais de que grandes produtores estão de fato levando adiante planos de restringir a oferta da commodity.
Ontem, uma fonte informou ao Wall Street Journal que a Arábia Saudita, líder informal da Opep, já está cumprindo a promessa de reduzir sua produção diária em 486 mil barris. No fim de novembro, o cartel fechou um pacto para cortar sua produção conjunta em 1,2 milhão de barris por dia a partir deste mês.
Posteriormente, países de fora da Opep, como a Rússia, também se comprometeram a diminuir sua produção.
Também em entrevista ao WSJ, o secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, disse que terá conversas informais com os ministros de petróleo de sete países para discutir o cumprimento dos acordos às margens de uma conferência em Abu Dabi, nos próximos dias 12 e 13.
Há expectativa também para o último relatório de emprego dos EUA, que será divulgado no fim da manhã e tem forte influência nas decisões de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
Às 8h36 (de Brasília), o petróleo WTI para entrega em fevereiro subia 0,91% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 54,25 por barril, enquanto o Brent para março avançava 0,90% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 57,40 por barril.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia