Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/01/2017 - 19h29min. Alterada em 05/01 às 19h29min

Dólar recua ante a maioria das moedas, ainda em reação à ata do Fed

O dólar recuou ante a maioria das moedas nesta quinta-feira (5), ainda em reação à ata da última reunião do Federal Reserve. O banco central norte-americano apontou para "incertezas consideráveis" adiante nos EUA, o que abriu espaço para uma correção na moeda, que estava nas máximas em vários anos. Além disso, o peso mexicano continuou pressionado, o que levou o banco central do país a intervir no mercado cambial, um dia após o peso bater mínima recorde ante o dólar.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 115,57 ienes, enquanto o euro subia a US$ 1,0598.
Nesta quinta-feira, o presidente do Federal Reserve de San Francisco, John Williams, disse que três elevações de juros em 2017 é uma visão "razoável" sobre o futuro, em entrevista à rede CNBC. Williams afirmou que há uma chance maior de estímulos fiscais nos EUA após a eleição, mas apontou também que esse estímulo deve gerar um efeito "modesto" no crescimento econômico. A fala não foi o suficiente para mudar a avaliação sobre a ata e suas várias menções sobre a incerteza pela frente no cenário, o que levou a um ajuste no câmbio.
O dólar caiu tanto ante moedas fortes, como o euro, o iene e a libra, quanto ante várias emergentes, como o dólar australiano e o canadense.
Ante o peso mexicano, porém, o dólar caiu. A moeda do México tem estado bastante pressionada pela eleição de Trump, já que o republicano tem ameaçado empresas que desejam construir fábricas no México para vender no território dos EUA. Ontem, a Ford disse que desistiu de construir uma fábrica em território mexicano, o que levou o peso a mínimas recordes. Hoje, o BC mexicano interveio, vendendo dólares para apoiar sua moeda, que subiu, mas sem muita força.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia