Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 19h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 04/01 às 20h49min

Bovespa devolve parte dos ganhos da véspera e fecha em baixa de 0,36%

A Bovespa teve um pregão morno nesta quarta-feira (4), principalmente no período da tarde, quando as oscilações foram bastante contidas. Depois da disparada de 3,73% na véspera, as ações hoje devolveram parte desses ganhos, levando o índice a uma baixa de 0,36%, aos 61.589,05 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 6,14 bilhões, significativamente abaixo dos R$ 7,45 bilhões movimentados na sessão anterior.
"A Bovespa não teve o mesmo ânimo de ontem, influenciada por um cenário externo mais fraco. Mas o mercado se segurou bastante, uma vez que ainda houve algum ingresso de recursos externos", disse Luiz Gustavo Pereira, estrategista da Guide Investimentos.
As ações da Vale estiveram entre as quedas mais significativas do pregão, depois de terem subido mais de 4% na véspera. Hoje os papéis recuaram 1,80% (ON) e 1,91% (PNA), num movimento atribuído principalmente à realização de lucros, que contou com a influência da queda de 0,3% do minério de ferro no mercado à vista chinês.
Já os papéis da Petrobras mostraram alguma volatilidade, refletindo movimentos de realização de lucros, simultaneamente à manutenção da atratividade. Essa atratividade foi apoiada pela firme alta dos preços do petróleo à tarde e pela expectativa de reajuste dos preços da gasolina. Ao final dos negócios, Petrobras PN ficou estável, enquanto as ações ordinárias da estatal recuaram 1,19%.
O enfraquecimento do dólar, pelo segundo dia consecutivo, mais uma vez pesou sobre as ações de empresas com receita em moeda estrangeira. Klabin Unit (-3,71%), Suzano PNA (-2,57%) e Fibria ON (-2,40%) estiveram entre as maiores quedas do Ibovespa. Já Usiminas PNA foi a maior alta do índice (+6,06%), em repercussão a notícias apuradas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, sobre reajuste de preços. Nos três primeiros pregões de 2017, o Ibovespa acumula alta de 2,26%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia