Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 15h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 04/01 às 16h29min

Bolsas da Europa fecham sem sinal único e com baixos volumes

As bolsas da Europa fecharam sem direção única e perto da estabilidade em dia de volume baixo de negociações, apesar de indicadores positivos na região. A inflação, sobretudo, foi destaque, embora continue bem abaixo da meta.
O índice Stoxx 600 fechou em baixa de 0,12%, em 365,26 pontos nesta quarta-feira, 4, com a maioria dos setores em baixa. Em clima ainda de comemorações das festividades de fim de ano, os mercados têm operado com volumes modestos de negócios, o que levou as bolsas europeias a registrarem uma sessão de volatilidade.
O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro registrou alta de 1,1% em dezembro na comparação com igual mês do ano anterior, ganhando força em relação ao aumento de 0,6% de novembro, segundo os dados preliminares divulgados hoje. Analistas previam +1,0%, mas o resultado ficou acima disso e ainda atingiu o maior patamar desde setembro de 2013. Ainda assim, continua bem abaixo da meta de quase 2,0% do Banco Central Europeu (BCE). No Reino Unido, o crédito ao consumidor cresceu 1,9 bilhão de libras (US$ 2,3 bilhões) em novembro, segundo dados de hoje do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), o maior avanço desde março de 2005.
Os indicadores positivos da região contribuíram para algum movimento comprador nas bolsas. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que engloba os setores industrial e de serviços, subiu levemente, de 55,0 em novembro a 55,2 em dezembro, no maior nível em cinco meses, segundo a Markit. O PMI composto da zona do euro avançou a 54,4 em dezembro, de 53,9 em novembro, maior nível em mais de cinco anos.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou com ganhos de 0,17%, aos 7.189,74 pontos. No setor bancário, Lloyds subiu 0,23% e Barclays avançou 1,34%, enquanto BP subiu 0,39%, em sessão positiva para o petróleo. Já LGO Energy teve baixa de 4,55%.
A bolsa de Frankfurt fechou com o índice DAX estável, em 11.584,31 pontos. Commerzbank recuou 0,03% e Deutsche Bank teve alta de 3,08%, enquanto Lufthansa subiu 2,2% e Infineon Technologies cedeu 1,39%. O papel da BASF avançou 0,51%, mas o da Thyssenkrupp recuou 1,54%. O setor automobilístico se saiu mal, com Volkswagen em queda de 1,2% e BMW, de 0,7%
En Paris, o CAC-40 também ficou estável, em 4.899,40 pontos. Airbus caiu 0,16% e ArcelorMitall recuou 0,29%, porém Crédit Agricole subiu 0,45% e BNP Paribas teve ganho de 1,42%. Ainda no setor bancário, Société Générale teve baixa de 0,88%.
Na bolsa de Milão, o FTSE-MIB subiu 0,27%, para 19.626,64 pontos. Entre os bancos, Intesa Sanpaolo fechou com alta de 1,44% e Banco BPM avançou 1,49%, mas UniCredit teve baixa de 0,28%. No setor de energia, a ação da Eni ganhou 0,38%.
A bolsa de Madri foi destaque negativo e caiu 0,33%, para 9.462,90 pontos. Santander subiu 0,45% e Banco Popular Español avançou 1,03%, porém BBVA recuou 1,07% e Banco de Sabadell perdeu 0,65%. Mapfre recuou 0,47% e Codere caiu 3,90%.
Na bolsa de Lisboa, o PSI-20 subiu 0,33%, para 4.741,15 pontos. Entre as ações em foco, Banco BPI ficou estável e Banco Comercial Português recuou 0,99%, enquanto Altri subiu 0,58% e EDP Renováveis teve alta de 0,43%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia