Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 09h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/01/2017 - 10h04min. Alterada em 04/01 às 10h04min

Após perdas anteriores, petróleo se recupera na expectativa com estoques dos EUA

Os preços do petróleo registram alta nesta quarta-feira (4), ainda que moderada, recuperando algumas das perdas de terça-feira sofridas nas últimas horas de negociação volátil após o feriado de Ano Novo. Além disso, os investidores seguem otimistas com os dados de estoques dos EUA nesta semana.
Às 9h50min (de Brasília), o petróleo WTI para fevereiro tinha alta de 0,38%, a US$ 52,53 por barril, na Nymex, enquanto o petróleo Brent para março tinha avanço de 0,40%, a US$ 55,69 por barril, na ICE.
Ontem, os preços chegaram a subir mais de 2% na esteira de dados positivos da China, otimismo com início do acordo entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e países não membros do cartel de um corte na produção e confirmação de que o Kuwait reduziu sua produção.
No entanto, os preços viraram e fecharam em queda sob influência de um aumento na produção da Líbia em dezembro e de relatos de que a oferta da Rússia ficou inalterada em dezembro, próxima do maior nível em 30 anos.
Bjarne Schieldrop, analista do banco SEB, com sede em Estocolmo, disse que os preços estão subindo quarta-feira com a perspectiva de outra queda nos estoques de petróleo dos EUA. O American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) divulga seus números hoje à noite antes dos dados oficiais do Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês), nesta quinta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia