Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 04/01 às 08h48min

IPC-Fipe sobe 0,72% em dezembro e encerra 2016 com inflação de 6,54%

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,72% em dezembro, apontando significativa aceleração ante novembro, quando registrou alta de 0,15%, segundo pesquisa divulgada hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).
O resultado do IPC-Fipe de dezembro veio acima das expectativas de dez instituições consultadas, que previam alta de 0,33% a 0,65%. Na terceira quadrissemana de dezembro, o índice mostrou acréscimo de 0,46%.
Em 2016, o IPC-Fipe acumulou inflação de 6,54%, bem abaixo da taxa de 11,07% observada em 2015. O número, porém, também superou as previsões, que eram de avanço de 6,13% a 6,47%.
Apenas em dezembro, os preços de Alimentação tiveram alta de 0,27%, revertendo queda de 0,92% verificada em novembro. Além disso, os custos de quatro dos sete componentes do IPC subiram com mais força no mês passado. Foi o caso de Habitação (de +0,34% em novembro para +0,86% em dezembro), Transportes (de +0,42% para +0,53%), Despesas Pessoais (de +0,79% para +1,18%) e Vestuário (de +1,05% para +1,83%).
Por outro lado, os custos de Saúde avançaram em ritmo menos acentuado (de +0,48% em novembro para +0,36% em dezembro), assim como os de Educação (de +0,13% para +0,03%).
Ao longo de 2016, os preços de Alimentação mostraram alta de 7,54%, enquanto os custos de Transportes subiram 5,04% e os de Habitação apresentaram ganho de 4,73%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia