Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/01/2017 - 08h16min. Alterada em 04/01 às 08h18min

Bolsa de Tóquio fecha 1º pregão de 2017 com sólido ganho

A Bolsa de Tóquio fechou em forte alta no primeiro pregão de 2017, favorecida por otimismo em relação à economia dos EUA e pela fraqueza do iene ante o dólar.
O Nikkei subiu 2,51%, encerrando a quarta-feira em 19.594,16 pontos, após um fim de semana estendido de quatro dias. Essa foi a primeira vez desde 2013 que o índice das ações mais negociadas em Tóquio ficou em território positivo no primeiro dia útil do ano.
Dados favoráveis de manufatura dos EUA, publicados ontem, levaram o índice WSJ do dólar a atingir o maior nível em 14 anos. Durante a madrugada, o dólar manteve-se forte ante o iene, num movimento que favorece ações de exportadoras.
No setor exportador, destacaram-se montadoras como Honda (+4,57%), Mitsubishi Motors (+4,35%) e Toyota (+3,18%). Papéis financeiros também apresentaram forte desempenho, caso do Shinsei Bank (+4,08%) e do Mitsubishi UFJ Financial Group (+3,47%).
Já a Toshiba chegou a despencar quase 7% durante a sessão, após notícia de que o fabricante de eletrônicos teria inflado seus lucros em 40 bilhões de ienes (US$ 340 milhões) ao longo de três anos. No fim do dia em Tóquio, os papéis da Toshiba fecharam com desvalorização menor, de 2%.
Analistas preveem que a bolsa japonesa deverá manter o tom positivo no curto prazo e que o Nikkei poderá chegar a 22 mil pontos no próximo mês, graças a fundamentos econômicos sólidos e à tendência de queda do iene frente ao dólar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia