Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 03/01 às 19h05min

Dólar recua com sinais de aceleração do crescimento global

O dólar fechou em baixa frente ao real nesta terça-feira (3), alinhado à busca por ativos ligados a commodities. No mercado à vista, a divisa norte-americana encerrou em queda de 0,60%, aos R$ 3,2615, mostrando alguma acomodação frente à mínima de R$ 3,2475 (-1,03%).
Profissionais consultados pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, ressaltaram que China, Reino Unido e Estados Unidos deram indícios de expansão econômica mais robusta, principalmente, no setor industrial, o que pode beneficiar a comercialização de commodities e seus países produtores, como o Brasil.
Dentre os destaques positivos, as ações da Petrobras chegaram a avançar 7% e contribuíram para o câmbio nacional. A entrada de recursos financeiros no País para investimentos na bolsa foram fatores citados por especialistas para a justificar a queda do dólar.
No mercado futuro, o contrato para fevereiro encerrou em baixa de 0,77%, aos R$ 3,2890, com mínima em R$ 3,2750 (-1,19%).
A queda do dólar por aqui contou com ajustes específicos, por causa do retorno das operações nos Estados Unidos após pausa para as comemorações de ano-novo. "O mercado teve de corrigir algum excesso, porque na segunda-feira foram operações às escuras, de proteção. Assim que os players perceberam o sinal negativo no dólar lá fora devolveram a alta de ontem", acrescentou um operador de uma corretora nacional.
De acordo com dados registrados na BM&FBovespa, o volume de negócios no mercado à vista somou US$ 1,334 bilhão. Já o giro com o contrato futuro para fevereiro somou US$ 10,573 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia