Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de janeiro de 2017. Atualizado às 15h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 03/01 às 16h28min

Bolsas europeias fecham majoritariamente em alta com dados positivos

As bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta na sessão desta terça-feira (3) impulsionadas por uma série de indicadores econômicos, que vieram positivos. Além disso, ações de empresas ligadas ao setor financeiro influenciaram positivamente os mercados acionários.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,70%, aos 365,71 pontos. A bolsa de Londres terminou em alta de 0,49%, aos 7.177,89 pontos; Paris avançou 0,35%, aos 4.899,33 pontos, e Frankfurt caiu 0,12%, aos 11.584,24 pontos. A bolsa de Milão ganhou 0,04%, aos 19.573,48 pontos; Madri subiu 0,81%, aos 9.494,70 pontos, e Lisboa caiu 0,18%, aos 4.725,41 pontos.
Indicadores econômicos sólidos da Europa e da China fizeram as bolsas europeias operarem em alta durante a sessão de hoje. Na madrugada, a China informou que o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês), do setor industrial, medido pela Caixin Media, subiu de 50,9 em novembro para 51,9 em dezembro. Esta é a maior recuperação das condições operacionais do país desde janeiro de 2013. Na França, a inflação atingiu o maior nível desde maio de 2014. O IHPC - medida de inflação acompanhada de perto pelo Banco Central Europeu (BCE) - subiu para 0,8% em dezembro, ante 0,7% em novembro, segundo a Insee. O aumento foi capitaneado pelos preços de energia.
A Alemanha também informou que a taxa de desemprego ajustada do país ficou em 6% em dezembro, como já estava no mês anterior. O resultado veio em linha com a previsão dos analistas. Apesar da estabilidade, o número de desempregados da maior economia da zona do euro caiu 17 mil no último mês de 2016 (a projeção era de queda de apenas 5 mil). Já o índice de preços ao consumidor da Alemanha subiu 0,7% em dezembro ante novembro e registrou alta de 1,7% na comparação anual. Os números foram melhores do que as expectativas dos analistas.
Além disso, o PMI da indústria do Reino Unido subiu de 53,4 em novembro para 56,1 em dezembro, no maior nível em dois anos e meio, segundo a Markit. O resultado veio acima da expectativa dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de 53,5. O indicador foi impulsionado pelo crescimento da produção e fortalecimento das novas encomendas.
O setor financeiro foi um dos que mais impulsionaram os mercados acionários europeus na sessão de hoje. Em Frankfurt, embora o índice DAX tenha recuado, o Commerzbank subiu 4,29% e o Deutsche Bank avançou 0,97%. Em Milão, o Unicredit teve alta de 0,14% e o Intesa Sanpaolo subiu 2,29%.
O índice FTSE-100, de Londres, renovou seu recorde de fechamento em sua primeira sessão de 2017. Ações de bancos também impulsionaram o índice, com o Lloyds subindo 3,38% e o Barclays avançando 3,78%.
Mais cedo, a London Stock Exchange Group (LSE) anunciou a venda da unidade francesa do LCH Group, a antiga Clearnet, uma casa de compensação e liquidação, para a Euronext. O objetivo do negócio de 510 milhões de euros é obter aprovação de uma megafusão com a Deutsche Böerse, criando a maior bolsa da Europa. A Deutsche Börse e a LSE, que juntas teriam um valor de mercado de US$ 28 bilhões, pretendem criar o maior operador de câmbio da Europa. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia