Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de janeiro de 2017. Atualizado às 08h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 02/01 às 09h20min

IPC-S fica em 0,33% em dezembro e fecha 2016 em 6,18%

Reajuste da gasolina ajudou a impulsionar a inflação

Reajuste da gasolina ajudou a impulsionar a inflação


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) encerrou dezembro com inflação de 0,33%, na comparação com 0,17% em novembro, informou nesta segunda-feira, 2, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Na terceira quadrissemana, o IPC-S foi de 0,24%.
Em 2016, o IPC-S fechou com alta de 6,18%, ficando aquém da taxa de 10,53% apurada em 2015. A variação acumulada entre janeiro e dezembro do ano passado ficou sutilmente maior que mediana de 6,17% (previsões de 6,10% a 6,20%).
Dos oito grupos que integram o IPC-S, seis aceleraram o ritmo de alta da terceira leitura de dezembro para o fechamento do mês, sendo o conjunto de preços de Transportes foi o que mais intensificou a velocidade de elevação. Esta classe de despesa saiu de 0,55% para 0,78% no fim de dezembro. No fechamento de novembro, a taxa foi de 0,42%.
O conjunto de preços de alimentos passou de 0,35% na terceira para 0,44% na quarta quadrissemana de dezembro e Vestuário saiu de 0,46% para 0,73%. Em novembro, os resultados foram negativos em 0,12% e 0,13%, respectivamente.
O grupo Saúde e Cuidados Pessoais também acelerou a alta de 0,63% para 0,71%, na comparação com 0,54%; Comunicação (de 0,10% para 0,25%) e Despesas Diversas (de 1,14% para 1,50%). No fim de novembro, o grupo Comunicação cedeu 0,02% e o de Despesas recuou 0,12%.
Já o conjunto de preços de Habitação aumentou a velocidade de queda da terceira quadrissemana para a terceira, ao passar de recuo de 0,64% para 0,67%, enquanto o grupo Educação, Leitura e Recreação diminuiu o ritmo de alta no período de 1,05% para 0,95%. No encerramento de novembro, este grupo ficou com elevação de 0,43% e Habitação em 0,17%.

Grupo Transportes é o que mais pressionou IPC-S, com reajuste de gasolina

O reajuste no preço da gasolina no início do mês nas refinarias ajudou a impulsionar o grupo Transportes no âmbito do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de dezembro. De acordo com dados divulgados pela Fundação FGV, a gasolina ficou 2,05% mais cara no fim do mês passado, depois de alta de 0,76% na terceira leitura. Com isso, o grupo Transportes saiu de 0,55% na terceira quadrissemana para 0,78% na quarta. O IPC-S, por sua vez, passou de 0,24% para 0,33% no término de dezembro.
O desempenho menos desfavorável do segmento de hortaliças e legumes também pressionou o grupo Alimentação, a despeito de ainda ter se mantido em terreno negativo. Esta categoria de preços saiu de declínio de 4,55% na terceira leitura de dezembro para recuo de 3,08% na seguinte.
Também ficaram mais caras entre a terceira quadrissemana e a quarta: roupas (de 0,51% para 0,95%, artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,87% para 0,94%); pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,00% para 0,71%) e cigarros (de 2,44% para 3,31%).
Em contrapartida, tarifa de eletricidade residencial, que passou de queda de 5,56% para recuo de 5,87%, além de passagem aérea (de 25,13% para 18,04%) ajudaram a pressionar menos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia