Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de janeiro de 2017. Atualizado às 15h34.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Patrícia Knebel

Mercado Digital

Mercado Digital

Notícia da edição impressa de 19/01/2017. Alterada em 20/01 às 16h34min

Cadê o 4G quando precisamos?

O Brasil fechou o mês de novembro de 2016 com 56,1 milhões de acessos em banda larga pela tecnologia 4G. Os dados são da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), entretanto pouco dizem sobre a qualidade do sinal que chega até os usuários. Um levantamento feito pela consultoria OpenSignal de setembro a novembro de 2016, e apresentado em janeiro, mostra que o Brasil ainda luta para oferecer conexões LTE de qualidade. Nenhuma das grandes operadoras avaliadas conseguiu fornecer sinal mais de 60% do tempo - e duas ficaram abaixo da marca de 50%. Os clientes da TIM foram os que mais puderam contar com o 4G (59,2% do tempo) - a empresa está no top do ranking da disponibilidade dessa tecnologia, seguida pela Vivo (56,7%). São dados que ajudam a ilustrar uma percepção já muito clara para as pessoas: o apelo do mercado para os usuários se informarem, entreterem e comprarem via dispositivos móveis é imenso, mas a tecnologia não evoluiu suficientemente para tornar esse um ato tranquilo. Nem vamos falar sobre acessar vídeos como no Youtube e Netflix, que exigem ainda mais banda. Dependendo do local e horário, a dificuldade de acesso irrita até mesmo quem deseja apenas navegar pelas suas redes sociais ou sites de notícias. As aplicações estão migrando de forma acelerada para o mundo móvel, e a infraestrutura segue sendo um barreira no Brasil.
Claro é a mais rápida
A Claro está à frente no critério da velocidade do 4G, aponta o relatório da consultoria OpenSignal. A operadora alcançou uma média 27,5 Mbps, mais de 5 Mbps mais rápido do que o segundo lugar (Vivo). A velocidade registrada pelos usuários da Claro foi mais do que o dobro da média dos da Oi e TIM.
Agilidade contra a deselegância
Três passageiros reclamaram, e um taxista já foi removido do aplicativo do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), que, desde a semana passada, está dando desconto de 50% no valor das corridas. Para Rafael Fanganito, um dos desenvolvedores do app, a facilidade de tirar os profissionais que recebem muitas reclamações é um dos diferenciais da plataforma. "Se ele for imprudente ou faltar com educação, os usuários fazem o registro e, na terceira reclamação, ele já é retirado. A aprovação não precisa nem passar pela EPTC ou Secretaria dos Transportes", relata.
#BeFearless
O Gear VR, óculos de realidade virtual da Samsung, está no centro de uma campanha global da fabricante para ajudar as pessoas que têm medo de altura e de falar em público a se superar. A ação #BeFearless utiliza simulações de situações reais e possui conteúdos específicos de palestras, aulas práticas e testes que devem ser assistidos com o suporte do Gear VR. Mais informações em www.samsung.com/br/launchingpeople.
Inovação
A empresa Testing Company, sediada no Feevale Techpark, realizou a homologação de toda parte funcional e operacional do app Mobile Checkout, que possui uma tecnologia inédita no varejo brasileiro e foi desenvolvido pela Paquetá. O sistema viabiliza que o vendedor atenda o cliente e realize o pagamento diretamente, sem que ele precise ir até o caixa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia