Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h38.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 07/02/2017. Alterada em 06/02 às 22h41min

Policiais militares na segurança patrimonial

Cristina Benedetti
A utilização de policiais militares em folga para a realização de serviços de segurança patrimonial é uma pratica bastante usual entre as empresas brasileiras. Contudo, muitos empresários desconhecem os riscos desta atividade.
Ocorre que os regulamentos das polícias militares estaduais vedam a prestação de serviços privados pelos policiais, sob pena de os mesmos sofrerem sanções disciplinares que, dependendo do caso, podem levar a exoneração. Assim, por muitos anos os Tribunais Trabalhistas decidiram que não poderia haver a formação de vínculo entre uma empresa privada e um policial que lhe faz segurança, o que fez com que se perpetuasse a ideia de que a contratação de policiais como seguranças privados era algo seguro e economicamente vantajoso para as empresas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia