Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Alterada em 27/12 às 17h53min

Primeiros cadastros do Cartão Reforma serão feitos em Pernambuco, diz ministro

Agência Brasil
O projeto-piloto do Cartão Reforma, do Ministério das Cidades, deve ser implantado em 2017 em Pernambuco, possivelmente na região agreste do estado. A informação foi divulgada hoje (27) pelo ministro Bruno Araújo em evento no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano.
"Temos R$ 1 bilhão no Brasil para 2017 e queremos que o projeto-piloto tenha Pernambuco como estado sede do Cartão Reforma para servir de modelo para todo o país", disse o ministro. "Estamos discutindo ainda, mas queremos fazer na região do agreste. E queremos fazer os primeiros cadastros do Cartão Reforma possivelmente no mês de abril, entregando os primeiros cartões no mês de maio, com as obras concluídas nas casas das pessoas até setembro de 2017", adiantou o ministro das Cidades.
Segundo Araújo, o Cartão Reforma vai beneficiar pessoas que construíram com o próprio dinheiro, mas precisam de "ajuda para aumentar a casa, recuperar a fossa, fazer reparos".
O benefício será concedido a famílias com renda bruta mensal de até R$ 1,8 mil. Elas vão receber R$ 5 mil para comprar equipamentos de construção e serão responsáveis pela mão de obra. No lançamento do cartão, em novembro, o governo informou que o programa deve atender entre 85 mil e 100 mil famílias em 2017. 
Perguntado sobre a uma possível insatisfação do setor imobiliário com a liberação do saque dos recursos de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), anunciado na última semana pelo governo, Araújo disse que o dinheiro é dos trabalhadores.
"O FGTS é recurso do trabalhador brasileiro, ele não é recurso de um segmento - ou imobiliário, ou da indústria, do comércio. Ele tem que servir ao trabalhador brasileiro garantir o devido financiamento. O que se fez nesse momento foi permitir que os recursos de contas inativas possam oxigenar a economia."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia