Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 09h14.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Senado

24/12/2016 - 11h03min. Alterada em 24/12 às 11h03min

Candidato à presidência do Senado, Eunício Oliveira tenta se distanciar da imagem de Renan

Eunício tem declarado que pretende, se eleito, fazer uma gestão focada na conciliação entre os três Poderes

Eunício tem declarado que pretende, se eleito, fazer uma gestão focada na conciliação entre os três Poderes


PEDRO FRANÇA /Agência Senado/Arquivo/JC
Favorito para assumir a presidência do Senado no próximo ano, o líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE), procura agora se distanciar da imagem do atual presidente Renan Calheiros (PMDB-AL). Para buscar apoio dos partidos, Eunício tem afirmado em conversas reservadas que não é "da turma do Renan".
Eunício declarou a parlamentares e ao presidente Michel Temer que pretende, se eleito, fazer uma gestão diferente, com foco na conciliação entre os três Poderes. Para evitar o enfrentamento com o Judiciário, ele considera apoiar votações com apelo popular, como a proposta que acaba com o foro privilegiado, tema preterido neste ano por Renan. O texto é de autoria do senador Álvaro Dias (PV-PR) e teve parecer favorável do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), mas a votação emperrou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Segundo interlocutores de Eunício, ele e Renan se afastaram após desentendimentos nas últimas semanas acerca da pauta de votações definida pelo atual presidente da Casa. Renan desafiou o Judiciário ao tentar colocar em votação apressadamente o pacote de medidas anticorrupção da Câmara e o projeto que atualiza a Lei de Abuso de Autoridade.
O senador tem comentado que também não concorda com a condução de Renan na presidência, pois avalia que ele envolve rivalidades políticas em suas decisões. Para o peemedebista, muitas vezes o correligionário age por vingança e acaba prejudicando o andamento dos trabalhos legislativos.
Na terça-feira, Eunício se reuniu em Brasília com os senadores Raimundo Lira (PMDB-PB) e Rose de Freitas (PMDB-ES) para fazer uma avaliação da sua candidatura. Para Lira, a candidatura do correligionário está "consolidada" e este é um assunto "totalmente definido", pois ele tem um apoio "muito grande" entre as legendas da Casa. No mesmo dia, Eunício teve um encontro com Temer para discutir a conjuntura política.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Luiz Carlos Fernandes Dias 28/12/2016 10h13min
Sugiro ao Povo sair às ruas par exigir que as casas do Povo, Senado e Câmara dos Deputados, sejam presididas pelos parlamentares mais votados em exercício, que estarão lá dirigindo Projetos de Nação em conformidade com a vontade popular.