Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h55.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reestruturação do estado

21/12/2016 - 08h15min. Alterada em 21/12 às 17h40min

Assembleia aprova extinção de oito fundações do Estado

Servidores de fundações fizeram pressão durante a votação dos deputados

Servidores de fundações fizeram pressão durante a votação dos deputados


Juarez Junior/Agência ALRS/JC
Já era madrugada desta quarta-feira (21) quando a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou a extinção de seis fundações estaduais, prevista no projeto 246/16 do pacote de reestruturação do governador José Ivo Sartori. Por 30 votos a 23, deixam de existir as fundações Zoobotânica (FZB), a Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), a Fundação de Economia e Estatística (FEE), a Televisão Educativa (TVE), a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) e a Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH).
Por volta das 8h30min de hoje, mais extinções: após 18 horas de sessão, a Fepagro e a Fundação Gaúcha de Tradição e Folclore também entraram nos cortes, dessa vez no projeto 240/16. Por 29 votos a 23, os deputados votaram para que as competências da Fepagro passem para a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação, enquanto as da IGTF ficam a cargo da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer.
O segundo dia de votação do pacote de medidas foi marcado por discursos de parlamentares da oposição, que se revezavam na tribuna com deputados do PDT - todos contrários às extinções das fundações, que representa a demissão de cerca de 1,2 mil servidores públicos com vínculo celetista.
Com a aprovação de requerimento apresentado por Gabriel Souza (PMDB), líder do governo na Assembleia, ficaram prejudicados o substitutivo e 11 das 14 emendas apresentadas ao projeto. A votação do requerimento só ocorreu por volta das 21h e contou com 28 votos favoráveis, o mínimo necessário para a aprovação dos projetos de lei, e 24 contrários. Com a medida, o governo garantiu que não se desmembrassem as fundações para votação em separado, como defendiam a maior parte das emendas.
A apreciação dos projetos iniciou na segunda-feira (19). Nas primeiras votações, já na madrugada de terça-feira, foram aprovadas a extinção da Agência Gaúcha de Desenvolvimento (AGDI), o projeto que reduziu as atuais 20 secretarias para 17, e a restrição da cedência de servidores da segurança para municípios.
Os deputados voltam às votações às 14h desta quarta. A discussão dos projetos deve se estender até a quinta-feira. 
Veja como votaram os deputados no projeto 246/16:
  • Adão Villaverde (PT) – Não
  • Altemir Tortelli (PT) – Não
  • Edegar Pretto (PT) – Não
  • Jeferson Fernandes (PT) – Não
  • Luiz Fernando Mainardi (PT) – Não
  • Miriam Marroni (PT) – Não
  • Nelsinho Metalúrgico (PT) – Não
  • Stela Farias (PT) – Não
  • Tarcisio Zimmermann (PT) – Não
  • Valdeci Oliveira (PT) – Não
  • Zé Nunes (PT) – Não
  • Álvaro Boessio (PMDB) – Sim
  • Edson Brum (PMDB) – Sim
  • Gabriel Souza (PMDB) – Sim
  • Gilberto Capoani (PMDB) – Sim
  • Ibsen Pinheiro (PMDB) – Sim
  • Juvir Costella (PMDB) – Sim
  • Tiago Simon (PMDB) – Sim
  • Vilmar Zanchin (PMDB) – Sim
  • Adolfo Brito (PP) – Sim
  • Frederico Antunes (PP) – Sim
  • Gerson Borba (PP) – Sim
  • João Fischer (PP) – Sim
  • Marcel van Hattem (PP) – Sim
  • Sérgio Turra (PP) – Sim
  • Ciro Simoni (PDT) – Não
  • Eduardo Loureiro (PDT) – Não
  • Enio Bacci (PDT) – Não
  • Gilmar Sossella (PDT) – Sim
  • Juliana Brizola (PDT) – Não
  • Marlon Santos (PDT) – Não
  • Vinicius Ribeiro (PDT) – Sim
  • Aloísio Classmann (PTB) – Sim
  • Luís Augusto Lara (PTB) – Não
  • Marcelo Moraes (PTB) – Sim
  • Maurício Dziedricki (PTB) – Sim
  • Ronaldo Santini (PTB) – Não
  • Adilson Troca (PSDB) – Sim
  • Jorge Pozzobom (PSDB) – Sim
  • Pedro Pereira (PSDB) – Sim
  • Zilá Breitenbach (PSDB) – Sim
  • Elton Weber (PSB) – Sim
  • Liziane Bayer (PSB) – Sim
  • Miki Breier (PSB) – Sim
  • Any Ortiz (PPS) – Sim
  • Juliano Roso (PCdoB) – Não
  • Manuela d`Ávila (PCdoB) – Não
  • Sérgio Peres (PRB) – Sim
  • João Reinelli (PV) – Sim
  • Missionário Volnei (PR) – Sim
  • Pedro Ruas (PSOL) – Não
  • Bombeiro Bianchini (PPL) – Não
  • Regina Becker Fortunati (REDE) – Não
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Greta 21/12/2016 16h59min
Senhores jornalistas, por favor ao publicar uma materia sensivel como essa, poderiam compartilhar mais informacoes, tais como: oque fazem essas instituicoes, qual o beneficio traziam para o estado e para o contribuinte do estado, qual a proposta do governo para essas pessoas, que alternativas foram avaliadas. Ao apresentar a informacao dessa forma somente fomentam a opiniao negativa sobre o governo e nao apontam alternativas ou cenarios possiveis. Saude, Educação e Segurança são PRIORIDADES
Rogerio 21/12/2016 10h05min
Os jornalistas deveriam explicar melhor quantos são os envolvidos, para onde vão estas pessoas, quanto custa aos cofres e que serviços prestam estas fundações.nPedir demais seria dar exemplos de como paises mais maduros/desenvolvidos tratam as mesmas questões.