Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Senado

Alterada em 15/12 às 17h50min

Jucá diz que há acordo para votar LDO e Orçamento de 2017 nesta quinta

O líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou nesta quinta-feira (15), que há um acordo com a oposição para garantir a conclusão da votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o Orçamento de 2017 na sessão do Congresso, que acontece nesta tarde.
No Twitter, Jucá escreveu que serão derrubados três dos nove vetos presidenciais que trancam a pauta. Em contrapartida, a oposição e o PSDB concordaram em retirar os três destaques que haviam sido apresentados ao texto da LDO. O texto principal da LDO foi aprovado pelo Congresso em agosto.
Dois dos destaques têm o objetivo de evitar que os recursos orçados para a área de ciência e tecnologia em 2017 sejam bloqueados. O terceiro suprime dispositivo que permite ao governo alterar em até 20% a composição da carteira de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
A sessão do Congresso está ocorrendo, mas ainda não há quórum para a votação dos vetos, que é por cédula de papel e nominal. Após os vetos, os congressistas devem apreciar a LDO, pois, caso não concluam a votação, não poderão dar início ao recesso parlamentar na próxima semana.
Orçamento
A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou ontem a proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017, que fixa os gastos federais em R$ 3,5 trilhões. Apesar disso, como a pauta é extensa e a sessão está atrasada, é possível que não haja tempo para votar o Orçamento este ano.
O Orçamento aprovado na quarta-feira foi o primeiro elaborado sob as novas regras do chamado teto de gastos públicos, previsto em Proposta de Emenda à Constituição enviada ao Congresso pelo governo Michel Temer e aprovada nas duas Casas legislativas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia