Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 14/12 às 19h40min

Moreira Franco não comenta rumor sobre eventual saída do governo

O secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Wellington Moreira Franco, evitou nesta quarta-feira, 14, comentar rumores sobre sua eventual saída do governo. Mais cedo, a assessoria de Moreira Franco divulgou nota desmentindo "boatos" que ele estaria demissionário. "Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas", afirmou ele na nota.
Questionado nesta tarde se teria alguma declaração a fazer sobre esses "boatos", Moreira disse apenas: "nenhuma".
Moreira é citado na delação do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho, no contexto de articulações da empresa em interesses na concessão de aeroportos. De acordo com a revista Veja, Moreira teria recebido R$ 3 milhões para barrar a construção do aeroporto de Caieiras. Na época, ele era secretário de Aviação Civil do governo de Dilma Rousseff.
Também mais cedo, após almoço com o presidente Michel Temer, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o secretário Moreira Franco, o líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (RR), negou que os principais aliados do presidente da República tenham a intenção de entregar carta de demissão.
Jucá afirmou que ambos têm a confiança do presidente e que cabe a Temer decidir quem entra ou sai de seu governo. "Não é nenhum tipo de notícia armada, pressão indevida ou tentativa de desestabilização que levará o presidente a fazer mudanças no seu ministério sem ele querer", declarou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia