Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h30.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 13/12 às 16h31min

Abuso de autoridade continua na pauta do Senado, garante Renan

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi categórico ao dizer que o projeto que atualiza a lei de abuso de autoridade ainda está em pauta no Senado e que deve ser votado nesta semana.
"O projeto de abuso de autoridade está na pauta. Eu pretendo votar todos os itens que foram indicados pelos líderes para compor a agenda de fim de ano", afirmou o peemedebista nesta terça-feira (13). Ele explicou que o Senado terá sessões de votação nesta terça, quarta e quinta-feiras e que pretende limpar a pauta.
Após os incidentes das últimas semanas, em que senadores tentaram agilizar a votação do pacote anticorrupção da Câmara, e do pedido não cumprido de afastamento de Renan da presidência do Senado, alguns parlamentares assinaram um requerimento pedindo que a urgência do projeto de abuso de autoridade fosse retirada e a proposta dirigida à Comissão de Constituição e Justiça.
Entretanto, o requerimento nunca foi colocado em votação por Renan Calheiros. Em um papel que carrega no bolso, Renan mostrou a extensa pauta de votação que pretende apreciar nesta semana. O projeto de abuso de autoridade consta da pauta desta terça-feira.
Além da votação da PEC do Teto, projeto principal do dia, ele também pretende votar o projeto que trata da securitização de dívidas, o fim da reeleição para cargos executivos, a reforma da lei de licitações, a regulamentação dos jogos de azar e as propostas enviadas pela Comissão Extrateto, que analisa salários acima do teto constitucional.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia