Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 10 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h19.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

Alterada em 10/12 às 18h22min

Temer está em São Paulo e não tem agendas públicas

O presidente Michel Temer está em São Paulo desde a noite dessa sexta-feira (9), confirmou a sua assessoria de imprensa. Temer não tem agendas públicas. Ainda não está definido quando ele retorna para Brasília, já que na segunda-feira (12) participará de dois eventos na capital paulista.
O presidente pretende consumir parte do seu fim de semana e o início da semana que vem para tentar desamarrar o novo nó político que embaraça seu governo, após a disputa entre o PSDB e o Centrão, pelo comando articulação com o Congresso, que é feita pela Secretaria de Governo, vaga desde a saída de Geddel Vieira Lima. Temer já agendou para o início da semana que vem um outro encontro com o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, com quem havia conversado no início desta semana, sobre a possibilidade de os tucanos assumirem o posto no Planalto.
As revelações da delação de executivos da Odebrecht, entretanto, também devem mobilizar o governo neste final de semana. A ordem no Palácio do Planalto é evitar comentários e reforçar que Temer já respondeu tudo por meio de nota.
Ontem (9) à noite, Temer divulgou nota para rechaçar as supostas informações da delação do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, que teria afirmado que Temer pediu R$ 10 milhões ao empreiteiro Marcelo Odebrecht em 2014. "O presidente Michel Temer repudia com veemência as falsas acusações do senhor Cláudio Melo Filho", diz a nota.
"As doações feitas pela Construtora Odebrecht ao PMDB foram todas por transferência bancária e declaradas ao TSE. Não houve caixa 2, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente" completa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia