Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de dezembro de 2016. Atualizado às 07h04.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reestruturação do Estado

Notícia da edição impressa de 08/12/2016. Alterada em 08/12 às 08h06min

Servidores elencam 'fragilidades do pacote' em carta ao Legislativo

Bruna Suptitz
Reunidos em um seminário para debater o pacote apresentado pelo governador José Ivo Sartori (PMDB), que prevê extinção, fusão e permissão para a privatização de órgãos estaduais sem plebiscito, servidores públicos elaboraram ontem uma carta que será entregue hoje para a presidente da Assembleia Legislativa, Silvana Covati (PP), com cópia para os demais parlamentares.
O documento elenca temas que eles chamam de "fragilidades do pacote". Com isso, pretendem esclarecer os deputados sobre o funcionamento das fundações. "Vamos pedir sensibilidade da Assembleia, que não permitam que isso aconteça e gestionem, junto ao Executivo, para que possamos fazer esse debate com o tempo que ele merece", argumenta Mara Feltes, diretora do Sindicato dos empregados em fundações estaduais (Semapi-Sindicato).
Um dos pontos apresentados na carta é o que as entidades consideram como baixo impacto financeiro com a extinção das fundações, que juntas representam 0,4% do orçamento do Estado. O texto apresenta ainda propostas alternativas às defendidas pelo governo, como "combate mais incisivo à sonegação" e "revisão de desonerações fiscais concedidas por décadas".
O Semapi responde por 5 das fundações ameaçadas de extinção e tem se mobilizado junto a outras entidades para dialogar com os deputados e a população. "Vamos para o Interior avisar a base dos deputados sobre o que eles estão votando aqui, que estão apostando em um 'cheque em branco'", alerta Mara.
A referência é ao discurso do governo de que, com a aprovação das medidas, precisarão de seis meses para planejar os próximos passos. "Por que não dão esses seis meses para que a Assembleia discuta com propriedade o que vai acontecer?", questiona Mara.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia