Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 03 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

03/12/2016 - 18h38min. Alterada em 03/12 às 18h47min

Em nota, Maia volta a defender que votação do pacote anticorrupção seguiu normas

Maia também rebateu os questionamentos sobre o horário da votação

Maia também rebateu os questionamentos sobre o horário da votação


ZECA RIBEIRO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender nesta sábado (3) que a votação do pacote anticorrupção no plenário da Casa, na semana passada, seguiu todas as regras constitucionais. Por meio de nota, Maia reafirmou que as votações foram nominais, em que é possível identificar de que forma os parlamentares se posicionaram, e que nada foi feito de "maneira velada".
Maia também rebateu os questionamentos sobre o horário da votação, que acabou às 4h da manhã. Na última quinta-feira, 1º, durante debate no Senado, o juiz federal Sergio Moro criticou as modificações no pacote anticorrupção, chamando-as de "emendas da meia-noite".
De acordo com Maia, nos últimos dez anos a Câmara realizou "uma centena de votações" de madrugada, sem que fossem questionadas. "Todos os procedimentos obedeceram a tradição e as regras da Câmara dos Deputados e reafirmam o compromisso com o debate democrático e transparente de ideias. Esta Casa aprecia a discussão e o contraditório. É o espaço por excelência para parlamentar. Estamos, pois, sempre dispostos a debater para deliberar", diz o texto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia