Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 01 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h54.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 02/01/2017. Alterada em 01/01 às 22h55min

A antecipação do IPTU e os déficits

Darcy Francisco Carvalho dos Santos
O então prefeito José Fortunati (PDT) voltou atrás e antecipou o IPTU. Sei que não podemos ficar insensíveis aos servidores que têm direito legítimo de receber o 13º salário, havendo muitos deles que já o comprometeram com dívidas ou com outros compromissos. Mas o problema maior será para a nova administração, que receberá uma prefeitura em situação deficitária em condições normais, terá mais esse problema, porque uma boa parte de sua receita foi usada pela gestão atual. Mas também prometeu desconto no IPTU.
Antecipação de arrecadação é vedada pela Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu art. 37, § 3º, que proíbe essa prática, mesmo dentro de um mesmo período governamental, mas se torna muito mais grave quando ela é feita no último ano, porque acarreta prejuízo para o período seguinte, como é o caso em tela. No entanto o que mais surpreende nisso tudo é o Tribunal de Contas aceitar passivamente essa prática por ela existir há mais de duas décadas, como se os costumes (os maus costumes), e não as leis, devessem reger os procedimentos da administração pública. Sempre soube que na administração pública só se pode fazer ou deixar de fazer o que está previsto em lei.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia