Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h34.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 27/12/2016. Alterada em 26/12 às 22h36min

Os dilemas da sociedade em rede

Kassiano Fraga
Segundo a ONU, até o fim de 2016, quase metade da população mundial estará conectada na internet. No caso do Brasil, conforme apurou a pesquisa TIC Domicílios 2015, 58% dos brasileiros utilizam a internet, o que representa mais de 100 milhões de internautas. Dessa forma, a revolução tecnológica que vivenciamos consolida o conceito de sociedade em rede e origina situações que até então eram despercebidas. Dentro dessas "redes", foi possível surgir uma nova forma de discussão e participação popular por parte de pessoas que até então evitavam os meios tradicionais de se vivenciar a política, todavia, nesse terreno onde a informação é ampla, a ausência de um filtro de veracidade dos fatos acaba gerando distorções no debate público, pois o cidadão acaba por isolar o seu pensamento apenas aquilo que lhe interessa, podendo encontrar argumentos para justificar qualquer tipo de situação e sendo abastecido por notícias (muitas vezes, falsas) que apenas reafirmam suas opiniões. Esse tipo de desvirtuação é acentuado pelas chamadas "bolhas" do Facebook, que nada mais são do que os algoritmos responsáveis por orientar a distribuição de conteúdos de acordo com as preferências dos usuários. Desse modo, a rede social acaba nos aproximando das publicações daqueles cujo pensamento é similar ao nosso e nos distancia daqueles que possuem ideias diferentes. Essa redução do convívio com o contraditório acentua a virulência das discussões políticas que temos presenciado. O sociólogo norte-americano Richard Sennett afirmou: "A noção de que 'isso é o que eu penso e não posso pensar de forma diferente' é a receita para a morte intelectual e social. Se temos convicções, a questão é como as relacionaremos com pessoas que têm convicções tão fortes quanto as nossas". Um ambiente democrático saudável depende da existência do diálogo entre os divergentes, e manter essa espécie de debate vivo consiste no desafio que devemos enfrentar nesses novos tempos de vida em rede.
Acadêmico de Direito da Unisinos
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia