Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h50.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 16/12/2016. Alterada em 15/12 às 20h11min

Telefonia móvel em todos os cantos do País

Afonso Hamm
Unanimidade entre os brasileiros, questões como educação, saúde e segurança são as que mais têm preocupado a população. Essa última, que há algum tempo vem afligindo as cidades, também leva pavor ao campo. Com acesso restrito ao sinal de telefone e internet, nossos agricultores estão cada vez mais desprotegidos e suscetíveis às ações dos bandidos.
Da mesma forma, o alto índice de acidentes de trânsito nas estradas brasileiras, devido à imprudência dos motoristas ou às condições precárias das rodovias, somados ao crescente número de assaltos em trechos como os da BR-101, BR-040 e outras, também comprovam que o sinal de telefone e internet deixou de ser privilégio, tornando-se uma necessidade que impacta diretamente na qualidade de vida e na sobrevivência dos produtores e de todos os cidadãos que trafegam em autoestradas. Embora saibamos que até nos grandes centros existam limitações no serviço de telefonia e internet, e que as empresas que atendem a esse setor estão entre as campeãs de reclamações, é inconcebível aceitarmos que, nas áreas rurais e nos deslocamentos das estradas, o sinal de telefone e internet seja tão deficiente.
Precisamos atentar para os mecanismos legais que podem contribuir com outras garantias constitucionais, como o direito à vida e ao acesso à informação. Por esse motivo, projetos como o PL 3.531, de 2015, que obriga as prestadoras de telefonia móvel a garantir a cobertura do sinal de seus serviços em 100% dos trechos de rodovias federais e estaduais deveriam ser debatidos e apoiados por toda a sociedade.
Nossa reivindicação deve ser para que o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações seja utilizado para a finalidade pela qual foi criado, que é subsidiar serviços de telecomunicações em locais onde a exploração comercial dessa atividade não é viável.
Deputado federal (PP)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia