Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 14h19.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 27/12 às 15h23min

Trump não pode dissolver fundação de caridade durante investigação, diz promotor

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, não pode levar adiante seu plano de desmantelar uma fundação de caridade porque promotores estaduais apuram se ele se beneficiou pessoalmente com gastos da entidade, afirmou nesta terça-feira o escritório da promotoria de Nova Iorque. "A fundação Trump ainda está sob investigação por este escritório e não pode legalmente ser dissolvida até que a investigação seja concluída", afirmou Amy Spitalnick, porta-voz do promotor-geral Eric Schneiderman.
O comunicado é divulgado após Trump anunciar que desejava dissolver a Donald J. Trump Foundation, parte do que sua equipe de transição presidencial diz ser um esforço para acabar com qualquer conflito de interesse antes da posse dele, em 20 de janeiro.
Schneiderman tem investigado há meses a fundação. A entidade já admitiu que violou em anos anteriores regulações que impedem que ela usasse dinheiro ou ativos para beneficiar Trump, sua família, as empresas dele ou doadores substanciais da fundação. O promotor-geral, um democrata, lançou a investigação após reportagem do Washington Post chamar a atenção para algumas das compras da entidade.
No fim da segunda-feira, Trump afirmou no Twitter que a fundação é gerida de maneira eficiente. Segundo ele, "diferentemente de muitas fundações", a sua nunca pagou taxas, aluguéis, salários ou outros gastos irregulares. "Cem por cento do dinheiro vai para entidades de caridade maravilhosas", afirmou o presidente eleito. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia