Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 24 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h01.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Nigéria

Alterada em 24/12 às 16h04min

Nigéria anuncia ter expulsado Boko Haram de um de seus últimos redutos

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, anunciou neste sábado (24) que o Boko Haram foi finalmente derrotado, com os combatentes expulsos do último reduto do grupo extremista, na floresta de Sambisa, e sem ter onde se esconder.
O pronunciamento vitorioso acontece enquanto o Estado Islâmico, do qual uma facção do Boko Haram é aliada, assumiu responsabilidade por um ataque a quartéis do exército no Estado de Yobe, na Nigéria, que "matou e feriu muitas pessoas", segundo uma divulgação oficial do grupo terrorista. O comunicado foi emitido na quinta-feira.
O ataque é um indício de que, apesar da comemoração de Buhari, é improvável que a Nigéria veja o fim dos atentados suicidas e ataques a vilarejos tão cedo. Já existem relatos de que insurgentes estão se agrupando nos Estados de Taraba e Bauchi, ao sul da floresta.
Em depoimento, Buhari elogia as tropas nigerianas por "finalmente entrar e destruir o resto dos insurgentes do Boko Haram no Acampamento Zero". Em seguida, ele anunciou "a muito esperada e gratificante notícia da execução final dos terroristas do Boko Haram no seu último enclave".
A floresta de Sambisa é onde acredita-se que o Boko Haram esteja mantendo o resto das estudantes sequestradas de uma escola na cidade de Chibok em 2014. Desde o sequestro, algumas meninas conseguiram escapar do cativeiro e informaram que muitas morreram por causa de malária e mordida de cobra. O presidente pediu que as tropas intensifiquem os esforços para "localizar e libertar nossas meninas de Chibok que ainda estão em cativeiro".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia