Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 23h35.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

México

Notícia da edição impressa de 22/12/2016. Alterada em 21/12 às 21h09min

Número de mortos por explosão de fogos de artifício chega a 31

Morteiro provocou detonação em cadeia no mercado de San Pablito

Morteiro provocou detonação em cadeia no mercado de San Pablito


JOSE LUIZ TOLENTINO /JOSE LUIZ TOLENTINO/AFP/JC
A forte explosão que ocorreu na terça-feira em um mercado de fogos de artifício na cidade de Tultepec, no México, deixou pelo menos 31 mortos e 72 feridos. Além do estabelecimento, várias casas da região ficaram destruídas. O novo balanço de vítimas foi apresentado por Alejandro Gómez, procurador do Estado do México, onde fica Tultepec.
Segundo testemunhas, a explosão começou em uma das 300 barracas que vendiam artigos pirotécnicos no mercado de San Pablito, um dos maiores do país e que fica a 49 quilômetros da Cidade do México. Um consumidor testava um morteiro que, fora de controle, atingiu outra barraca, dando início a uma detonação em cadeia. Com o impacto, partes das barracas e outros objetos foram arremessados a metros de distância.
Fundado em 2000, o mercado de San Pablito era considerado o mais seguro do México, e seus comerciantes previam vender mais de 100 toneladas de fogos entre agosto e dezembro. Apesar disso, o local já passou por três grandes incêndios, ocasiões em que todas as barracas foram destruídas às vésperas das festas de Independência de 2005, 2006 e 2007, mas sem deixar mortos. Após serem adotadas medidas de segurança, como uma separação mínima entre os postos, houve novos acidentes em 2012, deixando um morto e oito feridos, e em março passado, levando à morte de três pessoas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia