Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Síria

Notícia da edição impressa de 14/12/2016. Alterada em 13/12 às 19h58min

Massacre em Aleppo deixa ao menos 82 mortos

Menino é resgatado dos escombros; 13 crianças teriam morrido

Menino é resgatado dos escombros; 13 crianças teriam morrido


AMEER ALHALBI/AFP/JC
O escritório da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos afirmou ter recebido relatos de que as forças comandadas pelo presidente da Síria, Bashar al-Assad, mataram pelo menos 82 civis nas áreas antes ocupadas por rebeldes em Aleppo. Na noite de segunda-feira, o Exército sírio, a Rússia e as milícias aliadas ao regime de Assad anunciaram ter dominado 98% do território da cidade, a segunda maior do país. Ontem, os insurgentes chegaram a um acordo com o governo para deixar a cidade.
De acordo com o porta-voz do órgão, Rupert Colville, 11 mulheres e 13 crianças estariam entre os mortos, encontrados em diferentes regiões. A ONU afirmou, também, que mais de 100 menores desacompanhados estavam presos em uma construção alvejada. Controlada pelos rebeldes desde 2012, Aleppo é, desde julho, alvo de uma intensa ofensiva do regime sírio e de seus aliados.
De acordo com o Exército, foram retomados os bairros de Sheikh Saeed, na zona Sul da cidade, e Saliheen e Karam al-Daadaa, na Leste. Nas últimas 24 horas, as regiões sofreram bombardeios intensos que também atingiram civis.
O Exército sírio contou com o apoio da artilharia aérea russa e, por terra, de milícias libanesas e iraquianas financiadas pelo Irã e de refugiados palestinos. Os combatentes rebeldes ficaram restritos ao Centro da cidade, o que levou à sua rendição. Os detalhes do acordo, mediado pela Turquia e ainda não confirmado pelo Exército sírio, não ficaram claros, mas esperava-se que milhares de moradores pudessem deixar a cidade imediatamente, começando pelos feridos. Milhares de pessoas deixaram a região nos últimos dias, entre os bombardeios. O clima frio e chuvoso, porém, dificultou a fuga.
O avanço das tropas de Assad sobre Aleppo ganhou velocidade a partir do fim de novembro, quando foi iniciada uma ofensiva centralizada. Segundo o Ministério de Defesa russo, mais de 2.200 rebeldes se renderam, e 100 mil civis deixaram bastiões dos adversários do presidente em quatro semanas. Nas últimas 24 horas, Moscou afirma que houve 728 rendições e a retirada de 13 mil civis. Desde 2011, a guerra civil já deixou mais de 400 mil mortos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia