Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h30.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 04/12 às 20h31min

Governo da Venezuela classifica de arbitrária suspensão do Mercosul

Agência Brasil
O governo da Venezuela divulgou comunicado rechaçando a suspensão do Mercosul na última semana pelos demais integrantes do bloco. Em duro texto de protesto, o governo de Nicolás Maduro classifica a saída como um "grave ilícito" que busca impor "fraudulenta suspensão dos direitos" venezuelanos de continuar sendo membro do Mercosul.
Na quinta-feira (1º), os quatro países fundadores do bloco (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) declararam que Caracas perdeu o último prazo para cumprimento das obrigações de adesão. Após o anúncio, a ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodrigues, chegou a negar que o país seria suspenso, mas o chanceler brasileiro, José Serra, confirmou a decisão.
"A República Bolivariana da Venezuela rechaça e denuncia este ato arbitrário e fraudulento que constitui uma grave infração internacional. A Venezuela segue e seguirá exercendo todos os seus direitos como Estado Parte do Mercosul pelo mandato da lei e exige dos quatro governos que deixem de eludir aos procedimentos legais e se recordem do cumprimento do mecanismo de Negociações Diretas contemplado no Tratado de Olivos para a Solução de Controvérsias como mecanismo de diálogo e negociação política", afirmou o governo.
De acordo com a nota, a suspensão não é sustentada legalmente e carece de "expresso procedimento jurídico". O texto classifica as punições como "abuso de poder mediante a invenção de sanções que não existem em nenhuma norma do bloco".
"A Venezuela não apenas cumpriu ostensivamente com o marco normativo do Mercosul, incorporando, em apenas quatro anos, 95% das normas, como o fez com maior eficiência que o restante dos países que, em 25 anos desde sua fundação, nem sequer se aproximaram de nossa porcentagem de internalização normativa", destacou a nota. O comunicado ressaltou ainda "aos governos que assumem a ilegalidade e intolerância como conduta" que "a verdade se imporá".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia