Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h59.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Mundial de Clubes

Notícia da edição impressa de 15/12/2016. Alterada em 14/12 às 21h18min

Com uso de vídeo pelo juiz, Atlético Nacional é eliminado pelo Kashima

O Atlético Nacional de Medellín, campeão da Libertadores, que ganhou a torcida e a simpatia dos brasileiros depois da onda de solidariedade à Chapecoense, viu ontem seu sonho de conquistar o Mundial de Clubes ruir diante do time da casa, o Kashima Antlers. Os colombianos perderam por 3 a 0 na semifinal em Osaka, no Japão.
Além de um clube japonês chegar à final pela primeira vez, a partida também foi marcada pelo uso da tecnologia de vídeo de forma pioneira no futebol. Um dos gols do Kashima nasceu de um pênalti assinalado pelo árbitro depois de assistir à repetição do lance em um monitor de TV. O lance polêmico foi aos 29 minutos da etapa inicial. Após cruzamento na área do Nacional, o colombiano Mosquera derrubou o japonês Daigo. O jogo, porém, seguiu. Um minuto depois, alertado pela comunicação por áudio, o árbitro húngaro Viktor Kassai interrompeu a partida e foi à beira do campo conferir a jogada no monitor. Após assistir ao vídeo, marcou o pênalti. Todo o processo demorou 2min17s, até Kassai apontar a penalidade.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia