Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de dezembro de 2016. Atualizado às 12h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

Alterada em 30/12 às 13h58min

Chineses mantêm interesse em ativos brasileiros

Empresas chinesas seguem com apetite por Brasil, mas a instabilidade política coloca algumas operações em compasso de espera. Em 2016, grupos chineses marcaram presença em grandes operações, com destaque, por exemplo, para a compra da CPFL pela State Grid e a aquisição da Duke Energy no Brasil pela gigante China Three Gorges Corporation.
“Embora as empresas chinesas tenham disponibilidade financeira para investir, a instabilidade política voltou à tona”, afirma o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China (CCIBC), Charles Tang. Segundo ele, algumas operações, a despeito desse cenário, sairão do papel, mas a velocidade dos anúncios pode ser menor.
O sócio responsável pela área dedicada à China no escritório TozziniFreire Advogados, Reinaldo Guang Ruey Ma, diz que há muitos processos de due diligence em andamento e que o interesse de grupos chineses em fazer negócio no Brasil segue firme.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia